Blog

Fique por dentro

Educação Esmeralda: A história de transformação da Irlanda em uma referência global de ensino

Educação Esmeralda: A história de transformação da Irlanda em uma referência global de ensino

A Irlanda é dona da economia que mais cresceu na Europa nos últimos cinco anos. Mas nem sempre as coisas foram assim. A pequena nação da ilha europeia, popularmente conhecida como a Ilha Esmeralda, tem uma longa história de batalhas e de situações de fome, sem contar com o fato de ter sido conquistada e colonizada muitas vezes ao longo dos anos.

A educação é, historicamente, um elemento importante para os irlandeses. Nos séculos 18 e 19, apenas crianças seguidoras da fé Anglicana tinham permissão para frequentar escolas. Os irlandeses, porém, não aceitaram essa condição, e estabeleceram centros clandestinos de ensino. Geralmente, essas escolas ficavam em campos rurais e as aulas eram dadas em celeiros ou sob o esconderijo de uma cerca viva. Estima-se que mais de 400 mil crianças irlandesas tenham sido escolarizadas nessas populares (e ilegais) ‘Hedge Schools’.

Em um passado ainda mais distante, entre os séculos 5 e 6 na chamada Idades das Trevas na Europa, monges irlandeses foram reconhecidos por salvarem a civilização europeia. Como? Copiando e guardando grandes quantidades da literatura em latim, e, posteriormente, estabelecendo monastérios por toda a Europa onde o conhecimento seria transmitido às pessoas. Falando em história, o famoso Livro de Kells, um manuscrito colorido e belíssimo datado do século 9, pode ser conferido na igualmente histórica Trinity College Dublin.

A Irlanda tem uma longa história de desemprego e de emigração em massa – entre 1848 e 1998, mais de 5 milhões de pessoas deixaram o país. Contudo, isso é um fato do passado.  Hoje em dia, a Irlanda é um santuário para jovens profissionais e estudantes, com pessoas de todas as idades, cores e credos desembarcando no país vindos de todo o mundo. Se lá atrás muitos irlandeses deixavam o país para trabalhar por baixos salários no exterior e enviavam dinheiro de volta para os familiares em casa, atualmente a Irlanda tem o segundo maior salário-mínimo da Europa, de €10,10 por hora. Embora 15% dos irlandeses sejam autônomos e o país conte com uma enorme quantidade de empresas de pequeno e médio porte, muitas multinacionais têm na Irlanda sua sede no continente europeu.

A Irlanda tem dois idiomas oficiais: o Inglês e uma língua nativa céltica, o gaélico – popularmente conhecido como… irlandês. Todos as placas de trânsito no país aparecem nos dois idiomas, e as crianças também aprendem durante todo o ensino escolar o gaélico. Mas não se preocupe! O inglês é utilizado em todo o país, e os cursos de ensino superior são ensinados no idioma. E fique atento quando ouvir um irlandes falando a respeito de Craic, pois essa é a palavra irlandesa para diversão!

RAIO X – IRLANDA

Nome oficial: Irlanda (Éire, em irlandês)
Área: 70 mil km2 (pouco maior que o estado da Paraíba)
População: 4,9 milhões
Moeda: Euro (€ 100 = R$ 620)
Principais Cidades: Dublin, Cork, Limerick, Galway, Waterford

O SISTEMA DE EDUCAÇÃO IRLANDÊS

As particularidades de uma das melhores redes de ensino do mundo

O sistema de educação irlandes tem uma estrutura diferente do brasileiro. Por lei, toda criança na Irlanda deve estar matriculada entre os 6 e os 16 anos. Contudo, 92% já frequentam a escola a partir dos 3 anos. A qualidade do sistema é tamanha que a grande maioria dos alunos integram a rede pública de educação.

Depois de 8 anos de educação primaria, as crianças embarcam no ensino secundário, que é dividido em dois ciclos, cada um deles marcado por um exame final: o Junior Certificate (realizado por estudantes na faixa dos 15 anos) e o Leaving Certificate (entre 17 e 18 anos). Cerca de 83% completam a última prova, e os resultados do certificado são incluídos em um sistema de pontuação, conhecido como CAO, que serve como diretriz para a entrada na universidade e nos cursos de educação superior da Irlanda.

Em tempos recentes, surgiu no país a oportunidade de um Ano de Transição para estudantes em vias de entrar no ensino médio. Trata-se de um ano com conteúdo com teor um pouco menos acadêmico que permite o aluno refletir sobre si mesmo e sobre seus caminhos profissionais. Geralmente, os estudantes aproveitam este período para ter alguma experiência profissional e também se engajar em projetos paralelos. Isso dá aos adolescentes tempo para descansar da pressão das provas entre os ciclos estudantis. Afinal, jovens precisam de um tempo para curtir também!

O sistema de educação da Irlanda está entre os dez melhores do mundo, com quesitos como horas de ensino, salários de professores e retenção de alunos acimam da média dos 37 países da ECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Os resultados são o fruto de décadas de investimento na educação. Entre a faixa etária dos 25 aos 64 anos, 56% das pessoas têm formação no ensino superior. Uma população tão qualificada assim demanda o segundo maior salário mínimo da Europa.

Muitas faculdades na Irlanda oferecem cursos de graduação e pós-graduação em Educação, assim como treinamento para ensinar em inglês pensados especificamente para professores em escolas bilíngues que, embora fluentes no idioma, necessita auxílio para melhorar a metodologia em outras áreas acadêmicas em inglês.

Os investimentos em educação nas últimas quatro décadas, constantes independente de ideologias políticas dos governos do dia, fizeram que a Irlanda se tornasse um destaque global no setor. Estudantes do ensino superior aprende na prática, e essa experiência é parte integral do sistema educacional. De cinco em cinco anos, faculdades e universidades são obrigadas a entrar em contato com empresas para terem um feedback do programa de seus cursos, e ajustes são feitos para garantir que os estudantes estejam prontos para o mercado de trabalho assim que deixem o campus. Multinacionais e empresas locais, por sua vez, oferecem estágios aos estudantes durante os estudos ou em feiras de carreiras. Dessa forma, muitos jovens deixam o ensino superior com um emprego garantido!

Você sabia?
A Irlanda tem a quarta maior população ativa da Europa composta por cidadãos de outras nacionalidades. Além disso, é do país a população mais jovem do continente, com cerca de 40% dos habitantes com menos de 29 anos. Não por acaso, a Irlanda aparece em primeiro lugar no ranking de nações que mais atraem (e retêm!) jovens talentos internacionais!

Inglês na Universidade

O setor de ensino de inglês para estrangeiros na Irlanda injeta cerca de €1,2 bilhão na economia do país por ano. Além das escolas de ensino tradicionais, diversas universidades irlandesas abrem suas portas para aqueles que querem aprender ou se aprofundarem no idioma. Se não bastasse o contato direto com o ambiente universitário, os alunos dos cursos de línguas têm direito a usufruírem de toda a infraestrutura do campus!

O ENSINO SUPERIOR NA IRLANDA

Universidades? Institutos de Tecnologia? Faculdades, colleges e centros privados ou públicos? Descubra a diferença entre as opções – e saiba qual é a melhor para você

Muitas são as escolhas para quem quer cursas o ensino superior na Irlanda. As dúvidas entre o que difere um tipo de instituição da outra e quais são as vantagens e desvantagens entre elas são muito comum para estudantes que ainda não estão familiarizados com o sistema de ensino irlandês. Parte das diferenças tem explicação na história.

As universidades foram as primeiras instituições de ensino superior a surgir na Irlanda, oferecendo cursos tradicionais de medicina, veterinária, direito, etc. Contudo, durante os anos 1970, a indústria local reclamou que os graduados não contavam com as habilidades técnicas necessárias para atender as exigências do mercado. A partir daí, surgiram as escolas técnicas (Regional Technical Colleges), que, anos depois, passaram a ser chamadas de institutos de tecnologia. Em janeiro de 2021, os tradicionais Cork Institute of Technology e IT Tralee uniram forças para formar a Munster Technological University, a segunda universidade com foco em tecnologia do país. Trata-se de um plano do governo irlandês de unir os institutos de tecnologia em grupamentos regionais, cujo primeiro passo foi dado há dois anos com a fusão da DIT, IT Tallaght e IT Blanchardstown para dar origem à TU Dublin.

Hoje em dia, universidades, institutos de tecnologia e faculdades/colleges públicos e particulares oferecem qualificações até o nível de PhD. Em comum, todos os institutos de ensino superior na Irlanda oferecem formação acadêmica de excelência e são rigorosamente monitorados pelos governo irlandês.

Os cursos de ensino superior na Irlanda podem ter duração de dois anos, que dão direito ao certificado (nível 6), ou três anos, que resultam em um Ordinary Degree (nível 7) Cursos de quatro anos dão direito a um Honours Degree (nível 8), necessário para fazer mestrado – muitos dos quais com duração de apenas um ano – ou o doutorado.

Dá só uma olhada no gráfico abaixo para entender o ciclo completo:

Estrutura Nacional de Qualificações (NFQ)  (https://nfq.qqi.ie/)

Laços com a indústria

 As universidades e faculdades irlandesas desfrutam de uma relação fantástica com o mercado, e muitos dos professores do ensino superior do país contam com a experiência prática da indústria. Feiras oficiais de recrutamento e seleção são promovidas nos campi por empresas em busca dos melhores talentos. Por sua vez, as instituições de ensino contam com profissionais qualificados para auxiliar os alunos para a entrada no mercado.

Muitos programas de graduação e pós-graduação na Irlanda oferecem estágios (geralmente remunerados) como parte da experiência integral do curso. Diversos estudantes se dedicam também ao trabalho voluntário para melhorar o CV e, de quebra, ajudar a sociedade.

A taxa de empregabilidade são extremamente altas na Irlanda para ex-alunos do ensino superior. Com um certificado de bacharelado ou de pós-graduação nas mãos, apenas 4% dos estudantes não encontraram um emprego nove meses após a titulação – isso levando em conta aqueles que prosseguiram com os estudos ou se engajaram em outros projetos for a do mercado, como dar assistência a parentes, entre outros.

Uma potência na pesquisa

A Irlanda aparece em primeiro lugar no ranking global de pesquisa na área de imunologia. Não por acaso, pesquisadores irlandeses exerceram papel fundamental na reação global contra a pandemia causada pelo Corona vírus. Destaque para a Trinity College, considerada o principal centro de pesquisa de imunologia do país.

Fora de sala: a vida estudantil em 4 experiências

 Clubes & Sociedades

Profissionais irlandeses da educação acreditam que os estudos não são o único caminho para se tornar bem-sucedido. Um estudante feliz é um estudante com uma carreira promissora. Por isso, clubes e sociedades estão abertos a todos os estudantes da Irlanda como forma de auxiliar os alunos  conhecerem outros com quem têm interesses em comum, talvez até mesmo em áreas diferentes do curso que frequentam. Da Harry Potter Society, passando pela Yoga Society e a Irish Dancing Society, há diversas opções!

Rag Week

Originalmente uma semana na qual os alunos arrecadam dinheiro para instituições de caridades, a Rag Week, que ocorre em fevereiro, tornou-se uma espécie de Carnaval universitário. Festas e atividades organizadas pelo Sindicato dos Estudantes estão entre os destaques do período, que inclui também um Mistery Tour, um passeio de ônibus no qual os alunos se inscrevem sem saber para onde vão!

Voluntariado
Os estudantes são estimulados a dedicarem parte do seu tempo em prol da sociedade. Muitas universidades contam com escritórios de voluntariado, conectando alunos a projetos. Em muitos casos, as instituições fornecem aos estudantes um certificado com o tempo dedicado a projetos voluntários – algo que sempre cai muito bem em um CV robusto.

Infraestrutura

As instituições de ensino superior irlandesas se assemelham a pequenas cidades, com uma grande variedade de restaurantes, lanchonetes, farmácias, centros médicos, lavanderias, entre outros atrativos pelo campus. Piscinas olímpicas, quadras e academias aparecem entra as instalações esportivas, das quais muitas são abertas a estudantes internacionais sem a cobrança de uma taxa extra. Já no quesito sala de aula, algumas faculdades de Direito contam com espaços similares a cortes de verdade, enquanto cursos de administração têm a disposição salas de pregões. Com laboratórios de alto padrão e bibliotecas que cedem laptops por empréstimo, ser um estudante na Irlanda é dar um passo no futuro.

Os setores mais quentes do momento no país

  • FinTech
  • MedTech
  • Sport Tech
  • Hospitalidade
  • Software
  • Aparelhos Médicos
  • Cloud Computing
  • Indústria Farmacêutica
  • Games

Hotspots: Confira algumas das multinacionais com sede na Irlanda

Google

Facebook

Tik Tok

Apple

Microsoft

Dell

Alphabet

Os estudantes podem transformar ideias em planos concretos na Irlanda. Muitas instituições de ensino superior apresentam incubadoras de start-ups nos campi, contando com apoio governamental para tirar os planos do papel e transformá-los em negócios. Talita Holzer, uma estudante brasileira de engenharia que teve a chance de estudar na Trinity College um curso de ‘Inovação no Desenvolvimento de Produtos’, teve o auxílio financeiro do governo irlandes, através do órgão Enterprise Ireland, para desenvolver com companheiros de classe um projeto de aplicativo para pessoas com deficiência intelectual.

Agora que você já sabe como é fazer a universidade na Irlanda, descubra quais são as instituições onde você pode realizar o sonho de ter um diploma Made In Ireland! 

O que estudar?

Não basta apenas saber onde, mas também o que estudar. Clique aqui para ver todas as opções de cursos de graduação e pós-graduação oferecidos pelas instituições de ensino superior irlandesas!

 Para pesquisar!

Há centenas de opções de bolsas de estudos para brasileiros que desejam estudar na Irlanda, que vão desde por mérito escolar até bolsas esportivas. Algumas faculdades, inclusive, oferecem bolsas que levam em conta o PIB do Brasil, enquanto outras bolsas estão condicionadas a notas elevadas em testes de proficiência.

VIDA NA IRLANDA: COMO, QUANDO, ONDE?

Universitários brasileiros são mais que bem-vindos na ilha   

Estudantes brasileiros tendem a escolher uma carreira para o futuro assim que entram na universidade. Mas o mundo está mudando, e muitos empregos tradicionais podem não existir mais no futuro. Na Irlanda, aqueles que ainda não têm a certeza em qual área seguir podem montar sua própria grande de estudos. Quem têm aptidão na área de humanas, por exemplo, pode cursar Liberal Arts  e escolher entre várias opções de matérias no primeiro ano, para só depois focar em algumas dessas matérias à medida que os estudos avançam. Cursos como General Science e General Engineering seguem o mesmo padrão e são ótimos para estudantes que gostam das áreas mas ainda não têm um foco determinado.

Os universitário brasileiros, assim que concluem uma qualificação level 8, podem estender por um ano a permanência na Irlanda. Quem termina um mestrado ou pHd, por sua vez, tem direito a passar ainda mais dois anos ano país após a conclusão do curso. A ideia é dar tempo para que os estudantes encontrem trabalho nas suas áreas de atuação para depois aplicar para vistos de trabalho patrocinados pelas empresas que os empregam.

A economia irlandesa não para de crescer, e o governo identificou uma série de setores com déficit de profissionais qualificados, como engenharia, arquitetura, enfermagem e TI. Muitos estudantes internacionais, que chegam para fazer um mestrado de um ano em uma dessas áreas, têm uma oferta de trabalho assim que finalizam o curso. Só para o mercado de tecnologia, por exemplo, a Irlanda prevê que serão abertas 26 mil vagas de trabalho nos próximos dois anos. Ou seja, há uma imensidade de oportunidades no país!

Estudantes brasileiros têm permissão para trabalhar por meio-período (até 20 horas semanais) durante o período letivo e de forma integral nas férias de fim de ano (de 15 de dezembro a 15 de janeiro) e as férias de verão, que duram de junho a setembro. Lembrando que na Irlanda o salário mínimo é de €10,10 por hora, o segundo maior da Europa.

Study Abroad

Buscando um lugar para viver 

São várias as opções de acomodação, que mudam de acordo com as preferências e os orçamentos. Grande parte das universidades e faculdades oferece dormitórios estudantis nos próprios campi, além de opções de casas de família onde os estudantes podem ficar enquanto se familiarizam com o país. Alugar casas ou apartamentos também é uma alternativa – o processo para alugar uma moradia na Irlanda não é muito burocrático, não há a necessidade de um fiador e os lugares já são todos mobiliados, incluindo até talheres!

Andando por aí

Uma das primeiras coisas que estudantes internacionais fazem ao chegar na Irlanda é comprar uma bicicleta. Faculdades e universidades são geralmente próximas dos centros das cidades, então andar de bike é uma alternativa fácil, rápida e barata para se locomover. O país é relativamente plano, então é fácil ser um ciclista na Irlanda. Para quem não pedala, sem problemas: os campi das instituições de ensino são bem assistidos por ônibus e taxis. Uber não é uma opção, já que o aplicativo não roda no país.

Empregos

As grandes cidades irlandesas estão cheias de agências de recrutamento. Murais de anúncios em supermercados e os classificados de jornais locais são ótimas opções para encontrar emprego, assim como agências de carreiras das próprias faculdades. A maioria das universidades oferecem estágios como parte integral dos cursos, e muitos estudantes deixam a graduação com propostas de trabalho. Sem contar que muitas grandes empresas de tecnologia buscam por pessoas fluentes em português do Brasil!

Prepare-se

O sotaque irlandês é diferente do americano e do britânico e, a princípio, pode parecer um pouco estranho. Estudantes de outras partes do mundo se acostumam rápido, e uma boa forma para se preparar com os sons é assistindo a filmes irlandeses e ouvindo rádios do país. Dica: baixe o app “Radio Garden” e procure por estações da Irlanda!

RELATOS

Humberto Saldanha (PhD em Cinema e Mídias Visuais na University College Cork)

“Por aqui, desenvolvo uma pesquisa em cima da circulação do cinema brasileiro contemporâneo pela Europa. Vem sendo muito interessante estar em um ambiente onde eu posso conduzir minha pesquisa sob a supervisão de acadêmicos altamente gabaritados. Quanto a isso, a UCC oferece não apenas uma série de instalações de ponta que contribuem para um melhor aproveitamento das classes como também um programa de PhD cuja estrutura é uma combinação de aulas e outros cursos e seminários relevantes”.

Débora Camilo (Bacharelado em Sustainable Energy Engineering na Munster Technological University)

“Hoje quando olho para trás percebo que a sustentabilidade foi o motivo da minha escolha por estudar na Irlanda. Como estudante de engenharia ambiental, minha paixão sempre foi a sustentabilidade, que eu vejo como uma maneira eficiente de realizar as atividades.

Por ser uma universidade de tecnologia, as aulas abordavam o essencial, não havia trivialidades e os professores foram todos muito gentis e empáticos ao buscar sempre incluir os estudantes de outras nacionalidades. Outra diferença que notei foram as feiras de profissões, onde as empresas iam ao campus apresentar seus negócios e portfólios de produtos, oferecendo oportunidades de estágio e emprego para os estudantes”.

Paola Galluzzi Polesi (Bacharelado em Biologia Marinha no Galway-Mayo Institute of Technology)

“Eu sabia que queria fazer a universidade na Irlanda. Sempre escutei cantores do país – como Damien Rice – e isso fez com que eu quisesse conhecer melhor a cultura irlandesa e visitar todas as belezas de lá. Decidi ir para Galway por ser uma cidade pequena conhecida por seus festivais e eventos, o que ofereceria para mim várias oportunidades de imersão cultural. A universidade foi extremamente receptiva. Uma diferença do Galway-Mayo Institute of Technology em relação à faculdade no Brasil é a atenção que eles dão para a interação entre empresas e alunos, dedicando um período de dois meses para o estudante realizar estágios. Adorei como isso prepara o aluno para a vida fora da universidade. Por conta do meu curso, acabei trabalhando no Marine Institute. Adorei a vida em Galway e a Irlanda, um país cheio de lugares maravilhosos e pessoas fantásticas!”

Tiago Miranda (Bacharelado em Health & Fitness na University of Limerick)

“Em setembro de 2007, recém-formado no curso de direito, resolvi deixar tudo para trás em São Paulo para morar na Irlanda. A ideia era passar apenas seis meses, melhorar meu inglês e conhecer alguns lugares na Europa. Foi amor a primeira vista, e me apaixonei por Dublin, uma cidade fantástica, limpa e muito bem arrumada. Depois de dois anos como estudante inglês, decidi dar início à minha vida acadêmica na Irlanda e escolhi estudar Health & Fitness, o curso dos meus sonhos, na University of Limerick. Por lá tive os melhores momentos da minha vida. As instalações esportivas da UL são inacreditáveis, e por lá tive meu primeiro contato com o rugby. Pude escolher quais matérias cursar, algo bem diferente da minha outra graduação. Depois de três anos na universidade, decidi voltar ao Brasil. Abri minha rede de academias e hoje sigo trabalhando com a carreira que sou apaixonado”.

Ana Luiza Andrade (Bacharelado em Engineering & Management na Trinity College Dublin)

“Quando contei para a minha família que estava indo estudar na Irlanda, eles me fizeram pergunta sobre o St. Patrick’s, sobre a cerveja Ginness e sobre o clima (que é chuvoso, mas os dias de sol compensam todos os outros). Mas a Irlanda vai muito além disso. É um dos lugares mais bonitos do mundo, onde o verde é tão forte que faz até com que você duvide dos seus olhos. As pessoas são muitos legais e prestativas e fazem sentir como se você estivesse em casa. Na TCD, participei de várias sociedades e tive uma vida estudantil muito ativa. Para além do meu curso, eu fazia parte das sociedades de dança, filosofia, história, entre outras. No Brasil, estamos acostumados a ir a universidade para assistir às aulas, estudar e pesquisar. Já na Irlanda, isso é apenas uma parte da vida estudantil. Se você tiver a oportunidade, visite a Ilha Esmeralda e viva tudo o que o país tem a oferecer”.

ELES VIVEM E TRABALHAM NA IRLANDA

COM A PALAVRA, EOIN BENNIS
Cheio de elogios aos laços entre as nações, Cônsul-Geral da Irlanda no Brasil gosta tanto do nosso país que até se casou com uma brasileira 

Com mais de 15 mil brasileiros viajando para a Irlanda a cada ano, os laços de amizade entre os dois países nunca foram tão fortes, com muitos brasileiros chamando a Irlanda de sua casa e vice-versa. Através de forte intercâmbio educacional, comércio e investimento, eventos culturais e turismo, novas conexões estão sendo feitas a cada dia, o que beneficia os dois povos.

Uma comunidade brasileira forte e vibrante na Irlanda vem causando um impacto muito positivo na vida diária dos irlandeses e isto pode ser visto e sentido em toda a extensão de nossa ilha, especialmente em Dublin, Cork e Galway. Um grande exemplo disso é o influxo de saborosos restaurantes brasileiros no país, e particularmente em Dublin, o que acrescentou muito ao cenário gastronômico oferecendo ao povo irlandês a oportunidade de provar a autêntica cozinha brasileira como churrasco, feijoada, coxinha e brigadeiro.

Nos últimos dez anos, eu mesmo conheci muitos brasileiros que estão estudando e trabalhando na Irlanda, muitos dos quais se tornaram amigos muito próximos. Uma delas acabou por tornar-se minha esposa e companheira de vida. Fiquei impressionado com seu carinho, seu senso de família e comunidade, bem como sua abertura e senso de humor. As semelhanças entre nós são muitas, então não é surpresa que quando muitos de vocês retornam ao Brasil, o façam com amizades e memórias duradouras da Irlanda.

A Irlanda é um país amigável e seguro, conhecido como a “terra das mil boas-vindas”. A experiência de poder ir a lugares a pé ou de bicicleta, ou de transporte público, é bastante atraente e faz da Irlanda um dos destinos mais procurados pelos estudantes brasileiros.

A experiência adquirida pelos brasileiros que estudam na Irlanda vai além do aprendizado de um novo idioma. Em 2019, o Consulado Geral da Irlanda em São Paulo conseguiu localizar mais de 1.000 brasileiros que haviam estudado na Irlanda em instituições de ensino superior. Com a educação nos reunindo, mais de 700 brasileiros fazem agora parte de um grupo de ex-alunos da Alumni Ireland que continua ligada à Missão no Brasil.

Nos próximos anos, através de nossa Embaixada em Brasília e Consulado em São Paulo, trabalharemos arduamente para desenvolver ainda mais estas conexões, antigas e novas. Queremos ouvir suas histórias e vê-los como grandes embaixadores da educação irlandesa e da Irlanda em geral. Para ajudar nisso, lançamos recentemente uma conta no Facebook, chamada Irlanda no Brasil, que fornecerá informações adicionais sobre nossas atividades e sobre a Irlanda. Venha nos visitar no Facebook (/irlnobrasil) ou no Twitter (@IrlSaoPaulo e @IrlEmbBrazil). Muito obrigado – Thank you – Go raibh maith agat!

Artigos relacionados

A Toronto School of Management (TSoM) anunciou o lançamento de seu novo programa Inglês para Fins Acadêmicos (EAP), que prepara os alunos internacionais para estudar no Canadá.

O TSoM EAP é um programa intensivo de percurso acadêmico que integra habilidades de leitura,...

Continue lendo

Novo campus GISMA : Berlin-Potsdam

Por que o recém-inaugurado campus Berlin-Potsdam da GISMA é o lugar dos sonhos de todo estudante?

Continue lendo

Ingresse no Merrick Preparatory School ainda em Setembro/2021!

A MPS está SUPER animada em receber novos alunos em seu lindo campus neste mês de setembro de...

Continue lendo

Junte-se à discussão

Eu Fui!

Veja abaixo a opinião de quem já viajou com as associadas Belta.

X