Blog

Fique por dentro

Intercâmbio Voluntário: uma maneira de mudar o mundo

Intercâmbio Voluntário: uma maneira de mudar o mundo

Embarcar em um intercâmbio voluntário exige bem mais que um inglês intermediário; é preciso ter foco, força de vontade e instinto solidário a fim de ajudar comunidades, animais e pessoas de outros lugares do mundo a viver melhor. Além da África do Sul, muitos outros destinos, como Argentina, Bolívia, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, Guatemala, Índia, México, Nepal, Peru, Sri Lanka, Tailândia e Vietnã, oferecem esse tipo de oportunidade que mescla intercâmbio educacional e ação social, cada país com seus projetos específicos.

“A África tem um diferencial nos projetos de preservação da vida animal, e existem muitos projetos para essa área específica. A Namíbia tem um projeto médico, ideal para estudantes na área de Medicina; a Tailândia e o Sri Lanka possuem projetos em que o voluntário ensina Matemática, Inglês e Arte para monges. Já no Nepal, na Índia e no Vietnã foca-se mais nos projetos sociais com crianças e idosos”, diz Eduardo Heidemann, diretor da Agência Selo Belta Travelmate.

Estima-se que o trabalho voluntário movimento por ano cerca de 140 milhões de pessoas em todo o mundo. O dado faz parte do Relatório sobre o Estado do Voluntariado no Mundo da Universidade John Hopkins (EUA). divulgado em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e com o Programa de Voluntários das Nações Unidas.

De forma geral, os projetos são concentrados em trabalhos com crianças carentes, idosos, comunidades, saúde e animais. Todos exigem que o estudante tenha nível intermediário do idioma. Caso não tenha, o aluno pode mesclar estudo e voluntariado, como estudar pela manhã e fazer o projeto de voluntariado à tarde. Outros, por exigir mais horas de envolvimento do voluntário durante o dia, requerem que o aluno estude nas primeiras semanas o idioma local e na segunda parte do programa inicie o trabalho voluntário.

A experiência é válida para o currículo do estudante. “Além do conho socioambiental e colaborativo da proposta desse tipo de intercâmbio, o participante ainda tem a possibilidade de valorizar o currículo ao acrescentar nele uma experiência desse tipo” diz Carolina Luciano, coordenadora de Marketing da Agência Selo Belta Intercultural.

Nesse tipo de intercâmbio, o estudante consegue desenvolver inúmeras habilidades, como flexibilidade, independência, responsabilidade, autocontrole, visão de undo e outras que tornam o um profissional ainda mais completo para o mercado de trabalho.

Se você for investir nesse tipo de experiência, saiba que o tempo mínimo é de duas semanas e não existe um período máximo. Dependendo do destino escolhido o voluntariado, você terá que conseguir um visto, embora haja países que só exijam visto caso o trabalho voluntário ultrapasse 90 dias. Uma Agência Selo Belta poderá orientá-lo na escolha.

Artigos relacionados

Nova Zelândia

Os fãs de cinema já devem estar familiarizados com as paisagens deslumbrantes da Nova Zelândia....

Continue lendo

Espanha

Berço da segunda língua mais falada do mundo, a Espanha é um destino rico em culturas,...

Continue lendo

Férias ou estudos? O intercâmbio une os dois!

Intercâmbio não é sinônimo de cadernos e livros; em um período curto, dá pra viajar, estudar...

Continue lendo

Junte-se à discussão

Eu Fui!

Veja abaixo a opinião de quem já viajou com as associadas Belta.

X