Blog

Fique por dentro

1,2,3, Câmbio: o preparo financeiro para o intercâmbio

1,2,3, Câmbio: o preparo financeiro para o intercâmbio

Como tirar do papel a viagem de estudos para fora do Brasil sem estourar o orçamento

Sonhar não custa nada, já diria o popular. Mas, para tirar um intercâmbio do papel, pensar nos custos da viagem de estudos é primordial. O peso da questão financeira no planejamento é tamanho que a Pesquisa de Mercado Selo Belta 2017 aponta que o câmbio favorável é o aspecto que mais influencia na hora de escolher um país como destino.

Nathália Ferreira da Silva sempre sonhou em realizar um intercâmbio. À medida que a faculdade chegava ao fim, a então estudante de marketing começou a frequentar feiras de intercâmbio e a fazer pesquisas sobre possíveis destinos e cursos. Foi aí que a África do Sul apareceu em seu caminho. O país foi recomendado por um professor de inglês nascido na Nigéria. Além do estilo de vida, da natureza e da cultura riquíssimas, a nação africana chamou a sua atenção pelos custos mais baixos, favorecidos pelo câmbio – o Rand, moeda local, vale cerca de quatro vezes menos que o Real. “Lá, teria a oportunidade de fazer um curso de 6 meses, enquanto em outros países, o curso seria de apenas 3 meses”, ela conta.

Antes de embarcar para Cape Town, Nathália montou uma planilha com todos os gastos previstos – custo do intercâmbio, hospedagem, passagem aérea, seguro-saúde, visto –  e aqueles imagináveis. “Comecei a baixar na Internet os cardápios de restaurantes que fiquei com vontade de conhecer e a analisar os valores para os passeios interessantes na cidade. A cada dia, o meu preparo financeiro estava cada vez mais rico”, ela diz sobre a preparação.

Intercâmbio x Trabalho

Uma das maneiras de amortizar os custos do intercâmbio é buscar um trabalho no destino escolhido para estudar fora do Brasil. Nem todos os países, contudo, oferecem essa opção. “Na África do Sul, a única possibilidade de trabalho é o voluntariado”, pontua Nathália, que também levou em consideração esse ponto. “Outros países oferecem a oportunidade de estudar e trabalhar, mas tive que pensar na possibilidade de que se eu não conseguisse um trabalho, seria bem mais complicado me manter durante o intercâmbio, tendo em vista a moeda que seria bem mais valorizada que o Real – fosse ela o Dólar, o Euro ou a Libra”.

“Para o intercâmbio, o visto, quando necessário, será sempre o de estudante”, explica Luana Lorenzi, coordenadora da agência selo Belta Intercâmbio Global. O que difere um destino do outro é que certos países têm uma permissão de trabalho atrelada a esse visto. A especialista exemplifica: “Para o caso de estudos de inglês, os países que tem esse tipo de permissão são Austrália, Irlanda e Nova Zelândia, lugares onde, no geral, você pode trabalhar 20h semanais enquanto estuda, o que equivale a um emprego de meio período”.

O trabalho é uma forma de ajudar o estudante a se manter no exterior. Mas os ganhos da experiência não se resumem ao aspecto financeiro. “É mais uma forma de você melhorar o idioma e de botar em prática tudo aquilo que vem aprendendo, além de botar o estudante para conviver com a população nativa e ter contato direto com a cultura local”, pontua Luana. Enriquecer, como prova o intercâmbio, é uma questão que vai além do dinheiro.

Montanha-Russa cambial: como se precaver

A variação cambial e o valor das moedas é cheio de altos e baixos. Roberta Gutschow, diretora da agência selo Belta Roda Mundo, dá três dicas preciosas para você se precaver e não perder dinheiro andando na montanha-russa que coloca o valor das moedas

1) Inclua na sua planilha de gastos uma porcentagem a mais considerando variações cambiais. Exemplo: em cima do valor total da viagem, adicione cerca de 10% a 15% para ter uma margem de segurança no caso de uma variação cambial para cima.

2) Antes de fechar negócio, saiba como funciona a política de cancelamento do seu intercâmbio. Caso aconteça uma variação cambial muito grande que comprometa o seu planejamento financeiro, é importante ter ciência das multas e outras penalidades financeiras em decorrência do adiamento ou desistência da viagem.

3) Compre aos poucos a moeda que vai levar para os gastos pessoais durante a viagem. A partir do momento que o intercâmbio esteja fechado, comece a comprar, todo os meses, um pouco da moeda do país que vai estudar. Dessa forma, no fim, você garante um preço médio da cotação – algo melhor do que ficar adivinhando ou contando com a sorte.

Saving money
De volta da África do Sul, Nathália Ferreira da Silva (que também é analista financeira) dá dicas valiosas para você poupar durante o intercâmbio

– Faça uma planinha com todos os seus gastos;

– Sempre trabalhe com uma “gordura” no orçamento. Se a média de gastos será 100, considere por segurança 150 para se precaver diante de imprevistos;

– Considere um período de acomodação inferior àquele de sua estadia total. Uma possibilidade futura é compartilhar a estadia com um colega de curso para economizar.

Artigos relacionados

InFlorence Academy: Muito mais que o ensino do Italiano

InFlorence Academy, localizada na bela cidade de Florença tem mais de 60 anos de experiência em...

Continue lendo

As quatro principais razões para estudar na BCN Languages

BCN Languages é uma escola com mais de 20 anos de experiência oferecendo cursos de espanhol para...

Continue lendo

High School: faça o ensino médio no exterior

Novas culturas, novos idiomas, vidas renovadas: como é o ensino médio fora do Brasil O...

Continue lendo

Junte-se à discussão

Eu Fui!

Veja abaixo a opinião de quem já viajou com as associadas Belta.

X