Blog

Fique por dentro

Descobri a minha vocação na Nova Zelândia

Descobri a minha vocação na Nova Zelândia

A psicóloga Karen Goes conta sobre a sua experiência como alumni de High School e como o país ajudou a moldar a sua profissão de hoje

Janeiro de 2018 – O intercâmbio é um período de imensa riqueza de aprendizados e experiências que somente quem viveu pode contar. Quando se trata da Nova Zelândia, país que oferece uma infinidade de descobertas a quem lá desembarca, essa máxima não poderia ser mais verdadeira.

Por isso, a Education New Zealand, principal agência do governo para a divulgação e representação da educação desse país em âmbito internacional, reunirá, em 2018, uma série de depoimentos com alumni de diferentes níveis de ensino.

E o nosso primeiro personagem é a hoje psicóloga Karen Goes, que chegou ao país com plano de passar seis meses cursando High School, em Wanganui, na Ilha Norte, mas a paixão pelo país a fez estender sua estada por mais seis meses; desta vez, em Dunedin, na ilha Sul.

Karen guarda um leque de boas lembranças do tempo em que foi estudante no país insular. Embora não conhecesse tanto sobre o destino antes do intercâmbio, a escolha se mostrou, em pouco, bastante acertada. Em princípio, Karen buscava cidades menores e próximas à natureza. E a Nova Zelândia proporcionou isso e muito mais: uma cultura marcante, baixo custo da moeda – em comparação a outros destinos de língua inglesa – e o auxílio da comunidade e dos colegas no intercâmbio cultural.

Conheça mais sobre como é a vida de intercambista na Nova Zelândia, neste bate-papo com a alumnus Karen Goes:

 

  1. Para você, onde está o valor da experiência na Nova Zelândia?

Os benefícios são muitos, certamente aprendi muito com a cultura kiwi. Viver em um país no qual as pessoas têm um estilo de vida bastante equilibrado, com um dos menores índices de corrupção do mundo e uma cultura tão viva certamente, nos ensina muito. O melhor, para mim, é que a vivência pode ser por um período, mas certamente o valor dessa experiência vai ser marcante para a vida toda.

 

  1. Como foi a integração com os outros estudantes e a comunidade?

Foi muito boa, os estudantes são acolhedores, embora sejam considerados um pouco mais “fechados” para o nosso estilo brasileiro. Ainda assim, como eu não tinha um nível de inglês avançado, os colegas locais me auxiliaram muito nas aulas. Além dos colegas kiwis, a Nova Zelândia recebe muitos estudantes de várias nacionalidades, então é possível fazer amizade também com estudantes do mundo todo.

 

  1. O que achou do ensino?

No aspecto acadêmico, a estrutura das escolas e o ensino são pontos bem interessantes para os estudantes brasileiros, o que proporciona uma experiência muito rica. É utilizada uma metodologia bastante diferente e os estudantes tem oportunidade de estudar disciplinas diversas das que estamos habituados no Brasil. No meu caso, além das disciplinas tradicionais, optei por aulas de caiaque, cultura Maori, culinária, entre outros e tive esse período de estudos validado no Brasil.

 

  1. Qual a melhor lembrança que a pessoa tem da NZ?

Meu período de intercambio foi muito especial, por isso guardo comigo várias lembranças, sendo difícil escolher apenas uma. Destaco duas principais. A primeira é a lembrança da família hospedeira, eles foram fundamentais para me apresentar o país e o modo de vida dos neozelandeses. A segunda é a escola. A autonomia que o estudante tem, a maneira como as aulas são lecionadas e a receptividade dos colegas também são lembranças muito significativas.

 

  1. Como a NZ impactou na carreira e na vida pessoal?

A Nova Zelândia me fez escolher a minha atual profissão. A partir da experiência no país, tive o desejo de conhecer mais sobre o comportamento humano e, então, decidi cursar psicologia. Em minhas atividades profissionais, certamente o intercâmbio contribuiu desde processos seletivos até o fato de trabalhar com equipes diversas em um ambiente organizacional.

 

SOBRE A EDUCATION NEW ZEALAND – A Education New Zealand (ENZ) é a principal agência do governo para a divulgação e representação da educação da Nova Zelândia em âmbito internacional. Com o objetivo de tornar a Nova Zelândia conhecida como destino para estudantes internacionais e como a mais importante parceira para conhecimento e serviços ligados à educação, a ENZ conta com 70 funcionários em mais de 20 localidades e é dirigida por uma junta nomeada pelo Ministro de Educação Superior, Competências e Ofícios, Sr. Paul Goldsmith.

Artigos relacionados

Belta participa da EduExpos, maior feira de intercâmbio!

Os interessados em estudar no exterior têm duas ótimas feiras para visitar em setembro. A...

Continue lendo

Nova Zelândia: um dos destinos mais paradisíacos do planeta

A essa altura, todo mundo já sabe que a Nova Zelândia é um dos destinos mais paradisíacos do...

Continue lendo

Espanha: terra rica em climas, culturas, sabores e idiomas

Banhada pelo Atlântico e pelo Mediterrâneo, a Espanha é uma terra rica em climas, culturas,...

Continue lendo

Junte-se à discussão

Eu Fui!

Veja abaixo a opinião de quem já viajou com as associadas Belta.

X